sexta-feira, 18 de maio de 2012

O cérebro racista

18/05/12 03:00 - Opinião1 - Jornal da Cidade de Bauru

 

O cérebro racista



Recentemente, Hélio Schwartsman publicou em famoso periódico nacional, artigo expondo as teses de dois cientistas, Eagleman e Mlodinov, os quais concluíram: “Somos racistas por natureza”. O cérebro, inconscientemente, é capaz de agrupar objetos e pessoas em categorias... Logo, isso explicaria o racismo e outros comportamentos questionáveis, como a xenofobia e as guerras nacionalistas ou de religião. De fato, reducionismos desse tipo não são novidade. Desde Freud e mesmo antes dele, várias teses do tipo surgiram: somos vítimas de nosso inconsciente, do ambiente social etc. De lá para cá, inúmeras teorias têm tentado “explicar” ou justificar o comportamento humano. Então, há explicação para quase tudo: desde por que mentimos ou agredimos até por que somos egoístas ou adúlteros, desde por que gostamos de gordura e açúcar até por que nos apaixonamos. Agora, finalmente, sabemos também por que raios somos racistas! Pode parecer consolador ou conveniente saber que somos joguetes, gravetos impotentes nas mãos da natureza irracional, amoral e onipotente. Mas será mesmo bem isso?

Agora confesse! Pensar que nossas escolhas na verdade não são nossas, mas que já foram de antemão predeterminadas em nossos genes ou pela bioquímica do cérebro ou pelas condições sócio-ambientais não é nada reconfortante, não é mesmo? Na verdade, é aterrador. Uma coisa parece certa: pensar que sabemos mais hoje sobre nosso ser ou sobre nossa mente do que sabíamos há 2.500 anos atrás, quando os geniais gregos inventaram a ciência e a filosofia, tem se mostrado um ingênuo engano.


Sabemos que somos corpo, mente e espírito. Nem os mais materialistas negam isso. Porém, estamos longe de saber o que é o corpo, o que é a mente e o que é isso que chamamos espírito. Sabemos que somos influenciados pela bioquímica de nossas glândulas, pelas condições ambientais e históricas, mas até que ponto somos realmente escravos? A quem apelaremos para responder a essas gravíssimas questões? A ciência ou a religião tem as respostas que estamos procurando? Até que ponto todas as nossas respostas prontas não estão contaminadas pela subjetividade, pela ideologia ou simplesmente pela sempre parcial visão humana da realidade?


Pensemos por um momento na questão do “racismo”: os cientistas supracitados partem da premissa questionável de que o racismo seja um conceito da biologia, quando, na verdade, trata-se de um conceito muito mais antropológico do que físico-biológico!

Senão, vejamos: ninguém nasce “racista”. Ninguém nasce odiando nordestinos, ninguém nasce sentindo nojo de negros ou judeus, ninguém nasce “skinhead”, nazista, ou com vontade de surrar homossexuais e “incendiar” indígenas em praça pública! Então, o que é que acontece? Nós “aprendemos” a ser racistas! Aprendemos isso, como aprendemos a ser corruptos, homofóbicos, solidários, honestos, amáveis... Isso jamais deveria ser confundido com qualquer tipo de determinismo biológico ou teológico. Se vamos “aprender” a lição ou rechaçá-la, sempre será uma escolha pessoal. Salvo raras exceções, o ser humano, embora de certo modo condicionado ou influenciado por múltiplos fatores ambientais e congênitos, sempre pode decidir e será quase sempre livre para escolher.


Comportamentos racistas decorrem da educação social (exemplos) que recebemos, aliada ao fato de que todo ser humano tem seu “ser etnocêntrico”. Isso não quer dizer que somos racistas por natureza. Essa simplificação é falaciosa e extremamente perigosa.


O problema é confundir comportamento instintivo com “comportamento aprendido”, é confundir discriminação cognitiva com “racismo”. Essa “naturalização” de um comportamento, que de fato foi ensinado e aprendido, é o mesmo que confundir cultura com código genético. E é triste vermos cientistas fazendo isso.


É um erro grosseiro, portanto, usar a biologia para justificar o racismo, assim como não devemos usá-la para justificar o nepotismo, o sexismo, o machismo, o nazismo ou quaisquer outros “ismos” que o ser humano resolva inventar. Essa simplificação, esse reducionismo do fenômeno humano ao mero aspecto biológico, além de ser uma atitude anti-científica, em nada ajuda a raça humana a resolver seus principais dilemas.


Portanto, esqueçam! Não haverá nunca uma “aspirina contra o racismo”, não haverá uma pílula que proteja o homem dele mesmo. Podemos não ser responsáveis pelo que somos, mas seremos sempre responsáveis pelo que fizemos de nós mesmos.


O autor,
Silvio Motta Maximino, é professor de antropologia e filosofia da mente da Universidade Sagrado Coração

disponível em http://www.jcnet.com.br/editorias_noticias.php?codigo=223101

Nenhum comentário:

Postar um comentário