quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Já ouviu falar em diversidade?



Que é diversidade e para quê serve?


Olá! 
Hoje quero falar com você sobre diferenças culturais!
Podemos facilmente notar que vivemos num mundo muito diversificado.
Há pessoas de costumes e gostos diferentes, cor de pele e de cabelo diferentes, religiões diferentes, línguas e crenças diferentes.
As diferenças dão medo, mas no fundo elas são positivas... elas enriquecem a cultura, mostram a beleza de mil maneiras diferentes, demonstram a profunda inteligência e a empolgante criatividade do próprio ser humano. 
Mas... e se eu resolver pensar que a minha cultura, meus costumes, meus gostos pessoais, minhas crenças... são melhores que as de outras pessoas?
Se pensar que sim, estarei em sério apuro. Sério mesmo! Preciso procurar tratamento!
Lembre que é desse pensamento de superioridade que surgiram e que surgem todos os conflitos, violência, genocídios, etnocídios, a origem de tanto desrespeito.
É desse pensamento patológico que nascem o racismo, o fanatismo, o machismo e as piores doenças sociais que machucam e matam mais que quaisquer desastres naturais.

Então, quer uma dica legal? Não? Mas vou dá-la de presente assim mesmo.

Respeitar a diferença, como você gosta de ser respeitado é a regra de ouro.

Quem não aprende a respeitar, a lei vai ensinar. Se a lei dos homens não ensinar, a vida o fará. E se nem a vida lhe ensinar, então, se prepare... você vai sofrer muito, mas muito mesmo, até aprender... 
Não respeitar as diferenças é crime! crime contra a vida, que é diversidade em si mesma; contra a humanidade, que é diversa pela sua biologia e pela sua sociologia.
A lei protege a diversidade cultural, caso você ainda não saiba. A lei protege as minorias, caso alguém ainda não saiba.
A lei protege a criança, a lei protege a mulher, a lei protege o indígena...
E qualquer um que não for respeitado por causa de sua cultura, de sua opção sexual, religiosa ou cultural, vai caçar muitos problemas prá si mesmo.
Por isso, se você presencia alguém sofrendo alguma violência desse tipo, não se cale.

Porque algumas respostas não estão no Google!


um pouquinho de cada vez... mas todos os dias



Aquiete-se um pouco por dia. Que seja uma porção, um pequeno avanço em cada evento, um passo em cada oportunidade, até que esteja confortável em si mesmo,os ruídos diminuam e as percepções fiquem mais claras. Caminhemos sem ansiedade para que tudo se encaixe como deve ser.

Millôr Fernandes e os pobremas brasileiros


problemas... Joseph Joubert

Joseph Joubert, escritor francês (1754-1824).

segunda-feira, 2 de outubro de 2017