quarta-feira, 27 de junho de 2018

E. Heller Op.45 n°16 by Glaucia de Paula Maximino

Lady "Di" - Paul De Senneville / Jean Baudlot by Glaucia de Paula Maximino

o que as pessoas dizem... e o que fazem...

O que as pessoas dizem, o que as pessoas fazem e o que elas dizem que fazem; são coisas inteiramente diferentes. (Margaret Mead)

My Life Is Going On / La Casa de Papel by Glaucia de Paula Maximino

All Of Me - John Legend / Toby Gad by Glaucia de Paula Maximino

“O Poder do Agora” - por Eckhart Tolle

O Poder do Agora [TRECHO]


-Por Eckhart Tolle

A palavra iluminação transmite a ideia de uma conquista sobre-humana – e isso agrada ao ego –, mas é simplesmente o estado natural de sentir-se em unidade com o Ser. É um estado de conexão com algo imensurável e indestrutível. Pode parecer um paradoxo, mas esse “algo” é essencialmente você e, ao mesmo tempo, é muito maior do que você. A iluminação consiste em encontrar a verdadeira natureza por trás do nome e da forma. A incapacidade de sentir essa conexão dá origem a uma ilusão de separação, tanto de você mesmo quanto do mundo ao redor. 
Quando você se percebe, consciente ou inconscientemente, como um fragmento isolado, o medo e os conflitos internos e externos tomam conta da sua vida. (…)Se você é governado pela mente, embora não tenha escolha, vai sofrer as consequências da sua inconsciência e criar mais sofrimento. Você vai carregar o fardo do medo, das disputas, dos problemas e do sofrimento. Até que o sofrimento force você, no final, a sair do seu estado de inconsciência.

“Enquanto não somos capazes de acessar o poder do Agora, vamos acumulando resíduos de sofrimento emocional. Esses resíduos se misturam ao sofrimento do passado e se alojam em nossa mente e em nosso corpo. Isso inclui o sofrimento vivido em nossa infância, causado pela falta de compreensão do mundo em que nascemos”.

Todo esse sofrimento cria um campo de energia negativa que ocupa a mente e o corpo. Se olharmos para ele como uma entidade invisível com características próprias, estaremos chegando bem perto da verdade. É o sofrimento emocional do corpo. Apresenta-se sob duas modalidades: inativo e ativo. 

O sofrimento pode ficar inativo 90% do tempo, ou 100% ativado em alguém profundamente infeliz. Algumas pessoas atravessam a vida quase que inteiramente tomadas pelo sofrimento, enquanto outras passam por ele em algumas situações que envolvem relações familiares e amorosas, lesões físicas ou emocionais, perdas do passado, abandono, etc. 

Qualquer coisa pode ativá-lo, especialmente se encontrar ressonância em um padrão de sofrimento do passado.Quando o sofrimento está pronto para despertar do estágio inativo, até mesmo uma observação inocente feita por um amigo ou um pensamento é capaz de ativá-lo.Alguns sofrimentos são irritantes, mas inofensivos, como é o caso de uma criança que não pára de chorar. Outros são monstros destrutivos e mórbidos, verdadeiros demônios. Alguns são fisicamente violentos; outros, emocionalmente violentos. Eles podem atacar tanto as pessoas à nossa volta quanto a nós mesmos, seus “hospedeiros”. Os pensamentos e sentimentos relativos à nossa vida tornam-se, então, profundamente negativos e autodestrutivos. Doenças e acidentes frequentemente acontecem desse modo. Alguns sofrimentos podem até levar uma pessoa ao suicídio.



a diferença fundamental entre prazer e felicidade


Últimos dias de Anastásia Kinski - Richard Clayderman by Glaucia de Paul...

Clássico ou popular? Eis a questão!

Horas Tristes (Nocturno) G. Metallo by Glaucia de Paula Maximino

meditação ativa


"Continue até que você se veja na pessoa mais cruel da Terra, na criança faminta, no prisioneiro político. 
Pratique até que se reconheça em todos no supermercado, na esquina, no campo de concentração, numa folha, numa gota de orvalho. 
Medite até que se veja numa partícula de poeira em uma galáxia distante. 
Veja e ouça com todo seu SER. 
Se você estiver totalmente presente, a chuva do Dharma vai irrigar as sementes mais profundas da sua consciência, e amanhã, enquanto você estiver lavando os pratos ou olhando o céu azul, aquela semente vai germinar, e o amor e a compreensão vão aparecer como uma linda flor".
— THICH NHAT HANH, em 'Teachings on Love' (via Wake Up London)

Rendez Vous - J. M. Jarre by Glaucia de Paula Maximino

Não perca tempo - Mooji

Vale a pena ler esta interessante reflexão de :

Existem algumas mensagens que você encontra em praticamente todas as escolas. Uma delas é “não perder tempo” no caminho do autoconhecimento.  

Dilgo Kyentse Rinpoche (1910-1991) dizia: não esqueçamos “quão rápido a vida se vai, como um flash de relâmpago no verão ou o aceno de uma mão”. Ele também insistia para que não perdêssemos “um único momento”.  
Robert Adams (1928-1997), professor yogue, também lembrava para “não perdermos tempo com frivolidades”. 
O grande mestre Zen Dogen (1200-1253) escreveu: “Desperdiçar a passagem do tempo é estar confuso e sujo no flutuante mundo do nome e do ganho”.

O jamaicano mestre de Advaita Mooji enfatiza a necessidade de dedicar tempo a descobrir a verdade, mas sem se perder no caminho, sem ficar buscando pra sempre no que poderíamos chamar de um perambular em círculos por escolas, práticas e mestres infinitamente, numa espécie de “samsara espiritual”. 

No vídeo abaixo, de onde foi transcrito o trecho abaixo, ele explica a dedicação, o uso do tempo e a necessidade do interesse verdadeiro na busca.


“Muitas pessoas começam (a busca) e nunca vão realmente até o fim. Eles começam e se confundem, vão em outras direções… Aí, você os encontra meses ou anos depois… Você os vê e parece que eles retrocederam. Não há nada neles: não há fogo, atração, presença ou poder. (…) Não perca tempo! Você não tem que passar a vida toda buscando se você tem a oportunidade de encontrar aquilo que procura. Você entende? Isto é auspiciosidade. Isso é dignidade, se quiser definir assim. 

Eu lhe digo: “Olha, eu escondi dinheiro nessa sala – você não tem dinheiro -, somente nesta sala. Encontre-o e vá.” 
E, então, eu volto duas semanas depois e você ainda está procurando… Brincando com o telefone… Você não está procurando, você está interessado em outra coisa. Você quer um telefone, você não está buscando. Isso é o que acontece com essas pessoas. Elas não estão realmente buscando. Elas dizem: “a Verdade é tão misteriosa…”, mas isso é uma bobagem. Você é a Verdade, é muito simples. A verdade é que elas não querem saber disso.”
Mooji

Eis o vídeo completo com Mooji — legendas em português disponíveis nos controles  de Closed Captions (CC) e Configurações, na base do vídeo:

Don't waste time!

 

fonte: http://dharmalog.com/2017/06/08/mooji-nao-perca-tempo/

David Jalbert - Souvenirs D'Enfance by Glaucia de Paula Maximino

meditação? acontece!

A meditação é um acontecimento, esse é o primeiro ponto. O segundo é, a meditação não exige esforço. A chave para a meditação é a não exigência de esforço. Não é fazer alguma coisa, mas não fazer nada, que é meditação. E criar uma condição onde você possa realmente não fazer nada é tudo o que é importante para examinar.
~Sri Sri Ravi Shankar

Melô do Piano - Bebu Silvetti by Glaucia de Paula Maximino

Game Of Thrones - Ramin Djawadi by Glaucia de Paula Maximino

o sonho da vida e a crença do sonhador

“O segredo da salvação é esse: que você está fazendo isso sobre si mesmo. Não importa a forma do ataque, isso continua sendo verdade. Quem quer que assuma o papel do inimigo e do atacador, ainda é esta a verdade. Qualquer que parece ser a causa de qualquer dor e sofrimento que você sente, isso continua verdade. Porque você não reagiria aos personagens em um sonho se soubesse que você estava sonhando. Deixe-os ser tão odiosos e viciados quanto possam ser, eles não podem ter nenhum efeito em você a não ser que você falhe em reconhecer que são seu sonho”.
Helen Schucman (1909-1981), co-autora de Um Curso em Milagres, Cap. 27

Bem-te-vi Atrevido / Lina Pesce by Glaucia de Paula Maximino

Universos sobre pernas - Flávio Siqueira

ótima reflexão de Flávio Siqueira, a qual reproduzo abaixo:

Universos sobre pernas

Nesse espaço infinito que chamo de universo, entre galáxias, planetas, cometas chocando-se, estrelas que nascem e morrem, entre o mistério em constante movimento há um micro cosmos caminhando sobre pernas. Sou espaço que se reconhece como indivíduo, maravilhado por fazer parte de algo que não posso nominar.
Sinto-me incapaz de entender o cosmos que sou e isso me inquieta. Em que tipo de universo vivo? Que universo sou? Recorro à fresta da ciência, há tantos limites. A filosofia me ajuda na busca por significados, mas em cada resposta novas perguntas, tantas, tantas, tantas, novos dilemas, paradoxos que me mantém em movimento.
Movimento-me. Vivo no tempo que sei relativo. Grita em mim o contraste entre o eterno que habita este vasto espaço contido em um corpo, templo do que não cabe na cronologia que modifica meus traços, meus pensamentos, o mundo que me veste.  Modifico-me e mal percebo.
Sobre a janela anseio respostas. Suspiro com saudade da casa que desconheço. Suspiro. Deixo que os olhos passeiem entre o horizonte e as estrelas, que descansem sobre o teto escuro da noite na Terra e se percam, ultrapassam camadas de ar, de gases, de verdades, de crenças e se percam...
Agora tudo é silêncio. Possibilidades. Vagando, deixei de saber. Encanto, universos que se encontram, galáxias infinitas, não posso calcular, os fenômenos geram explosões devastadoras, mundos que nascem e morrem contemplados pelo silêncio do abismo em movimento, voraz em sua lógica caótica, promotora de vida, de morte, de espantos.
Sou além grão de poeira das estrelas. Forma que temporariamente assume alguma consciência e depois vai, vira outra coisa, reintegra-se ao mistério.
O corpo onde não caibo perderá a forma. Universo decantando-se em outros universos, assumindo múltiplas paisagens, outros mundos que se desfazem.
Cada expressão de consciência é parte de uma única mente. Fragmentos do absoluto reconhecendo-se entre o lapso de vida e morte, caminhando em busca de significados, esforçando-se para permanecerem, relutando em ir.
Mas talvez o único jeito de permanecer seja colocando-se no fluxo do movimento que não cessa, que modifica todas as coisas, que nos desfaz, quem sabe, para lembrar que somos parte do todo e que o todo se reconhece ao nos reconhecermos.
Somos consciências do universo. Mistérios aculturados contidos em identidades que anseiam pelo céu.
O céu, abrigo de mistérios indecifráveis, contemplados em nossas frestas, expressões simétricas dos mundos que habitam esse espaço que sou, universo que caminha sobre pernas.

o perfeito é desumano